Archivo de la etiqueta: Historia de los Cuidados

Declaration of Oseira on the importance of the History of Nursing

Subscribe the Declaration in the Comments section

Caring is inherent to the human being and, for this reason, it has remained a constant throughout time. However, some people have professionally cared for others, assuming a variety of roles which have traditionally been influenced by scientific progress and sociocultural change. Nursing as we know it has been influenced by centuries of caring, becoming a complex and dynamic discipline, with great capacity for problem-solving in relation to people´s needs. We declare that we are in agreement with the Declaration of Granada of 2012, which considers Nursing Knowledge, developed as a caring professional throughout centuries, as the main legacy of the science of Nursing to Humanity.

The participants in the III International Meeting for the History of Nursing and Nursing Thinking, which took place at the Monastery of Oseira (Ourense, Spain) between the 14th and the 15th of July 2017, in collaboration with other academics and researchers who have subsequently endorsed its content, agree to subscribe the following Declaration. We do this so as to highlight the need to establish the foundations, and contribute to the dissemination, of a distortion-free history of Nursing. It is important that Nursing history is built with scientific rigour as it portrays both universal and innate values of the human condition, such as the acknowledgment of human dignity, equity, respect for diversity and equality between men and women.

For these reasons, we believe it is important to subscribe to the following decalogue about the role of history in the shaping of today’s nursing and ensure that it continues to do so as part of the nursing curricula.
_________________

1. The Oseira Group for the History of Nursing comprises the following members: Manuel Amezcua, Mª. Elena González Iglesias, Claudia Alvarez Franco, Isabel Antón Solanas, Carmen Domínguez Alcón, Juan Diego González Sanz, Antonio Jesús Marín Paz, Paloma Moral de Calatrava, Ana Belén Rodríguez Feijóo, Gloria Elena Lastre Amell, Carlos LouzadaLopesSubtil, María Dolores Ruiz Berdúnand Francisco Ventosa Esquinaldo.

1. Nursing, understood as the activity of human caring both in health and in sickness, refers to the system of professional caring practices carried out by both men and women, independently of their historical expressions, social conditions and diversity of denominations.Nevertheless, Nursing recognises the legitimacy of other forms of caring, either domestic or other, as long as certain ethical and moral values are respected.

2. History has contributed to effectively consolidate our pro-fessional identity by clarifying the principles and universal values assumed and displayed by nurses in the free exercise of our compromise with society throughout time. For this reason, we consider that the History of Nursing should be integrated in undergraduate nursing curricula and become an essential component of Nursing training.

3. Researchers of Nursing history, independently of their professional background, must rigorously select and observe the most appropriate methodology, identify adequate sources of information, and adhere to theoretical and historiographic approaches which facilitate both rigorous and precise interpretations of the impact of Nursing on different contexts, in order to allow it to fulfill its pedagogical function.

4. Throughout history, nurses have often put professional commitment with other people’s needs before personal inter-est. In many cases, this has been due to the strong leadership of certain women and men whose role and legacy to Nursing are yet to be given their rightful place in history. It is essential to investigate their role in shaping Nursing as a profession andreclaim their place in history for the new generations of nurses to know and value.

5. Historically, Nursing development has been influenced by two elements, namely its firm commitment to those who experience inequality and frailty, and the integration of scientific knowledge as described in technical and educational manuals written by nurses long before the first printing press. Thus, we think it is important to recover and analyse such evidence, which will facilitate the study and understanding of Nursing as a scientific and social discipline.

6. It is necessary to reclaim the importance of the hospital as a caring institution par excellence; as a multifunctional scenario where creativity and innovation have driven Nursing forward both professionally and scientifically. For this reason, we call all nurse historians to explore archival sources which have so far been under investigated, and which will potentially provide valuable, specific and contextualised knowledge on the historical development of Nursing.

7. We know that teaching and disseminating a distorted histo-ry which contains omissions and fallacies derived from either speculation, ignorance or ideological interest, can potentially be damaging to Nursing. Thus, we call all academics to in-crease their effort to avoid them, and base their teaching and learning activity only of rigorous and valid sources.

8. History of Nursing could be perceived as tedious unless lecturers make a conscious effort to make it attractive to student nurses. For this reason, we ask lecturers to use engaging teaching and learning strategies, utilise innovative teaching methods, in short, put the students at the centre of learning, in order to allow them to understand the true meaning of past events and recognisetheir contribution to the progress of humanity.

9. We ask all scientific societies specialised in the History of Nursing to ensure that research activity in this field is carried out, and disseminated, with rigour. In addition, we ask them to develop initiatives which increase the professionalisation of researchers and editors in this field.

10. We acknowledge that it is important to disseminate Nurs-ing history’s most important historical events among the general population. For this reason, all available means and mechanisms, including informational events, webs, thematical exhibitions, etc., should be used in an attempt to publicise the contribution of nurses to the caring activity and the values underpinning one of the most ethically committed professional activities.

If you agree with the contents of the Declaration, you can subscribe to it, including in the comments section your name and surname, institution, city and country. You will appear in the definitive publication of the text that we will soon publish in the magazine Temperamentvm.

Declaração de Oseira sobre a importância da História da Enfermagem

Assine a Declaração na seção Comentários

Os cuidados com a vida são inerentes ao ser humano e, por isso, sempre estiveram presentes ao longo da sua evoluç-ão. Também sempre houve pessoas que praticaram cuidados numa dimensão profissional, com múltiplas manifestações condicionadas pelo progresso do conhecimento e pelas mu-danças sociais e culturais. O resultado de séculos de evolução na atividade cuidadora é o que hoje se reconhece como Enfermagem, uma disciplina complexa e dinâmica com grande capacidade de contribuir com soluções para o bem-estar das pessoas. Partilhamos a Declaração de Granada de 2012, ao considerar que o conhecimento da Enfermagem, construído ao longo de séculos de evolução da prática profissional de cuidados, é o principal legado que a Enfermagem, enquanto ciência, dá à Humanidade.

Os participantes no III Encontro Internacional de História e Pensamento da Enfermagem, realizada no Mosteiro de Oseira (Ourense, Espanha), em 14 e 15 de Julho 2017, juntamente com outros professores e investigadores que partilharam posteriormente os debates e conclusões desse encontro, concordam em subscrever a presente Declaração para enfatizar a necessidade de construir e difundir uma história da Enfermagem isenta de distorções, construída com rigor científico e para que nela se revelem os valores que hoje assumimos como universais e inatos à natureza humana, tais como o reconhecimento da dignidade humana, o compromisso com a equidade, a convivência com a diversidade ou a igualdade entre homens e mulheres.

Por tudo isto, consideramos do maior interesse assinar o seguinte Decálogo sobre o papel da história da Enfermagem no tempo presente e a necessidade de a dignificar como uma disciplina com potencial educativo insubstituível.

_________________

1. O Grupo Oseira foi constituído pelas seguintes pessoas: Manuel Amezcua, María Elena González Iglesias, Claudia Celia Alvarez Franco, Isabel Antón Solanas, Carmen Domínguez Alcón, Juan Diego González Sanz, Antonio Jesús Marín Paz, Paloma Moral de Calatrava, Ana Belén Rodríguez Feijóo, Gloria Elena Lastre Amell, Carlos Louzada Lopes Subtil, María Dolores Ruiz Berdún e Francisco Ventosa Esquinaldo.

1. Quando consideramos a Enfermagem enquanto prática de cuidados ao ser humano em situação de saúde ou doença, referimo-nos a um sistema de prática de cuidados de caracter profissional, independentemente da forma como se expressou ao longo de sua história, das condições sociais em que se desenvolveu e da diversidade de denominações que receberam as mulheres e os homens que a exerceram. Sendo assim, a Enfermagem reconhece a legitimidade de outras formas de cuidados, sejam domésticos ou de outro tipo, desde que respeitem os valores do que consideramos bom, ética e moralmente.

2. A História contribui de forma efetiva para consolidar a identidade profissional pois clarifica os princípios e os valores universais com que as enfermeiras e os enfermeiros têm exercido o seu compromisso com a sociedade, ao longo dos tempos. Portanto, consideramos que a História da Enfermagem deve constituir-se como disciplina obrigatória nos planos de estudo de todas as universidades e centros em que se lecione o curso de enfermagem.

3. Para que a História da Enfermagem cumpra a sua função pedagógica, é necessário que os investigadores nesta área, independentemente da sua formação original, adotem metodo-logias rigorosas com base em fontes primárias sólidas, adotem perspetivas teóricas e historiográficas que favoreçam análises rigorosas e interpretações precisas do impacto que a Enfermagem, as suas instituições e os seus profissionais tiveram nos diferentes contextos em que desenvolveram as suas práticas.

4. As enfermeiras e os enfermeiros têm demonstrado, ao longo de sua longa história, que colocaram o seu compromisso com as necessidades das pessoas acima dos seus interesses profissionais e que o fizeram sob a influência de uma forte liderança de mulheres e homens que, na sua maioria, não tiveram o legítimo reconhecimento histórico, sendo imprescindível resgatá-los para a História da Enfermagem, possibilitando que sejam reconhecidos pelas novas gerações.

5. Historicamente, a Enfermagem foi-se construído combinando o compromisso com a desigualdade e a fragilidade humana com a incorporação de saberes científicos que estão explicitados em vários manuais técnicos e educativos elaborados por enfermeiros, mesmo antes do advento da imprensa. Consideramos da maior importância a sua recuperação e estudo detalhado para tornar possível conhecer a evolução da Enfermagem como disciplina científica e social.

6. É necessário reivindicar a importância do hospital como instituição cuidadora por excelência, como um palco multi-funcional onde se desenvolveu a criatividade e as inovações que permitiram a evolução da Enfermagem enquanto profissão e ciência. Nesse sentido, apelamos aos historiadores para que, na perspetiva da Enfermagem, incrementem a exploração de fontes arquivísticas de instituições que ainda não foram suficientemente utilizadas e que proporcionam conhecimentos concretos e contextualizados que é necessário por em relevo.

7. Sabemos que se pode causar muitos prejuízos à Enferma-gem quando se ensina ou divulga uma história cheia de dis-torções, omissões e falácias que, muitas vezes, são o resultado da especulação, da ignorância ou de interesses ideológicos pelo que recomendamos ao corpo docente que, a partir da academia, redobrem os seus esforços para as evitar e realizem uma pedagogia sustentada em fontes rigorosas e credíveis.

8. Enquanto objeto de ensino, a História da Enfermagem pode transformar-se numa matéria enfadonha e sem interesse se não se utilizarem as suas potencialidades pedagógicas para a tornar atrativa para os alunos. Por isso, apelamos ao empenho dos professores para utilizarem estratégias de ensino inovadoras, incluindo metodologias participativas, que permitam aos alunos compreender o verdadeiro significado dos eventos mais significativos do passado da nossa profissão e o seu contributo para o progresso da Humanidade.

9. Apelamos para a responsabilidade das sociedades científi-cas especializadas em História da Enfermagem no sentido de garantir que as atividades de investigação e a sua divulgação sejam feitas com rigor, desenvolvendo iniciativas para aumentar a profissionalização de investigadores e editores nesta área.

10. Tão importante é a investigação e o ensino da História da Enfermagem como é a divulgação cívica dos grandes marcos que tornaram possível a profissão que hoje exercemos. Por isso, consideramos que devemos usar todos os meios à nossa disposição, incluindo jornadas, plataformas web, exposições temáticas, etc., para socializar o contributo que as enfermeiras e os enfermeiros têm vindo a dar aos cuidados com a vida e os valores que sustentam uma das profissões com maior compromisso ético.

Se você concorda com o conteúdo da Declaração, você pode assiná-lo, incluindo na seção de comentários o seu nome e sobrenome, instituição, cidade e país. Você aparecerá na publicação definitiva do texto que publicaremos em breve na revista Temperamentvm.